free fonts free icons

 

QUEM É A TUPI?
A rádio carioca que ocupa o primeiro lugar de audiência graças ao trabalho de cada um de quase duzentos radialistas e jornalistas que trabalham na emissora. Elas e eles estão, sem dúvida, com alguns dos melhores profissionais do ramo. Mas a emissora é também a sua diretoria, os seus donos, que há quase 2 anos têm negado a seus funcionários as condições mínimas para um trabalho digno, como o próprio salário! Isso mesmo: a Tupi é uma das maiores rádios do Rio, construída com extremos talento e suor de centenas de trabalhadores que tem sido absurdamente explorados! A Tupi dos donos e dirigentes já parou, está morta quando trata seus funcionários desta maneira. Agora é a Tupi de verdade, de quem produz o dia-a-dia, os excelentes conteúdos, e que já não aguenta mais, quem ameaça parar.

Já se somam mais de 40 processos individuais movidos na justiça trabalhista contra a emissora, e 6 ações coletivas (em nome de "todos os trabalhadores") movidas pelo Sindicato de Radialistas do RJ. Por isso hoje, 06/12/2016, realizamos uma Assembleia Geral Extraordinária na qual estavam presentes mais da metade dos funcionários da empresa. Locutores, motoristas, advogados, somos todos radialistas - todo trabalhador empregado pela emissora, de acordo com a lei e com o valor jurídico da preponderância. Todos amparados pelo nosso direito constitucional de lutar através do nosso sindicato.

A VIA DA JUSTIÇA
A primeira frente de atuação, na qual o Sindicato tem se mantido firme e atuante, é a via da justiça; ofícios, ações coletivas, processos e trâmites legais.
As 6 ações coletivas do Sindicato de Radialistas do RJ contra a Rádio Tupi reivindicam:

> Multa de 40% e indenização de dano coletivo por atraso no FGTS (o FGTS foi descontado e não repassado para a previdência).
Ação já transitada em julgado (não tem recurso, a empresa já perdeu), em fase de "execução" (calcular quanto deve pra cada um etc). Todos os funcionários da empresa são beneficiários desta ação.
> Danos morais para grupo de trabalhadores autônomos sem carteira assinada.
Ação de maio de 2015, teve notificação publicada em 11/11/2016 e está em análise pericial (foi dado entrada, a emissora contestou, e o juiz deu prazo para verificar antes
da primeira sentença).
> Ação de cumprimento para o pagamento da multa pelo atraso no adicional noturno de 2015 (prevista na CCT).
> Ação de cumprimento para o pagamento da participação de resultados (40% do salário + "abono" ou participação de R$600,00).
Ação movida em 2016, a ser promulgada a primeira audiência.
> Ação de cumprimento para o pagamento do seguro de vida, e do PLR (atrasado em 2014 cuja multa não foi paga). A CCT vigente já previa multa para o atraso. Ação ganha em primeira instância, deferidos todos os objetos. A Tupi recorreu em 2ª instância no TRT pra protelar o pagamento.
> Pedido de indenização moral por atraso de salário e não reajuste no ticket refeição até hoje, conquistado pela CCT 2014. Ação de 12/2014 - o último momento em que, dentro de alguns dias, o salário dos trabalhadores esteve em dia.

Enquanto instituição, estamos lutando, só que infelizmente o trabalhador não pode ficar esperando; as contas vêm mês a mês, e não podemos esperar pra receber daqui há um ano, enquanto os donos da emissora pagam a todas as demais contas antes de pagar nossos salários. Só em 2016, o Sindicato enviou 7 ofícios à Tupi pedindo apenas uma reunião para dialogar, e todos foram negados. Mesmo que a rádio alegue estar com o caixa apertado, sabemos muito bem que o valor agregado da Tupi é muito maior. Simplesmente é estratégico para eles não dialogar e manter a política do medo e do silêncio. A única forma de pressionar a empresa a dialogar é a mobilização.

A VIA DA POLÍTICA
A segunda frente fundamental é a via política. Mas para que o sindicato atue nesse nível, é preciso entender que "sindicato" não é o seu corpo de diretores, ou a equipe administrativa. Sindicato é você! A via política é composta por trabalhadores unidos, protestos, encontros que permitam criar o diálogo, negociações e, caso necessário, greve. Tudo isso envolve profunda mobilização da categoria. E depois de tanto tempo sendo injustiçados, desrespeitados e levados ao limite, a Rádio Tupi tem de sobra!

Nos próximos dias, as trabalhadoras e trabalhadores vão mostrar quem realmente faz a Tupi...

 

Com uma mão, o Governo interino de Temer destruiu o caráter público EBC, como mais uma ferramenta pra sua própria propaganda; com a outra, centraliza os investimentos de publicidade oficial para os velhos grupos de mídia que já dominam o mercado - também a seu favor.

E não foi até por menos que isso que tanto se criticou Lula e Dilma? Sim. Essa crítica veio desde o comecinho, quando Lula começou a "variar" o destino desse investimento, aplicando em pequenos blogs de esquerda e afins. A frente desse argumento, estiveram os grandes conglomerados do ramo da comunicação: o Grupo Globo, o Grupo Folha, a Editora Abril (da revista Veja) e tantos outros que hoje recebem até 1000% a mais em valores pagos pelo governo para propaganda (como a Band).

"No tempo do PT", também era concentrado - o Grupo Globo, por exemplo, recebia mais ou menos R$ 500 milhões por ano, a Folha, uns R$ 14 milhões - o que houve foi o surgimento tímido de uma nova prática, que deliberadamente veio a fortalecer canais de mídia alternativa de pequeno e médio porte (Carta Capital, o Conversa Afiada, o Diário Centro do Mundo, o Brasil 247, etc.). De 2005 a 2016, os 11 milhões destinados a canais de esquerda, geralmente mais precários em termos de financiamento, estão com os dias contados.

Foto-montagem sobre original do blog Esmael Moraes

 

"De um lado, ele cortou publicidade da mídia de esquerda, sim, mas, de outro, o presidente aumentou a verba dirigida à veículos de comunicação dos conglomerados de imprensa, que ainda por cima vivem em um esquema de oligopólio protecionista extremamente anti-competitivo", analisa o jornalista Rafael Bruza. "Temer foi hipócrita nesta situação, pois fingiu fazer justiça cortando publicidade de opositores, mas na verdade só favoreceu aqueles que apoiam seu governo", completa.

É nesse cenário que milhares de profissionais da Empresa Brasil de Comunicação estão penando para negociar um simples reajuste que não seja abaixo da inflação. Nesse contexto que a comunicação pública vira as costas para as vozes de povo. Mas não desistimos! Estamos vivos e lutando pela volta do Conselho Curador, por uma política pública de comunicação decente, e que esteja à altura das comunicadoras e comunicadores guerreiros deste país.

 

 

Na próxima segunda-feira (5/12), será realizada uma Assembleia Geral Extraordinária com todas e todos os radialistas e as radialistas da Tupi! As razões são os golpes a direitos trabalhistas sofridos pela categoria na emissora de rádio, e as pautas são 3:

1. Atrasos de salários e 13º
2. Ações judiciais do Sindicato Radialistas RJ contra a Tupi
3. Condições de trabalho dos(as) radialistas da Tupi

O encontro será durante a tarde, às 14:00, e acontece na Igreja Santa Edwiges, Rua Fonseca Teles 109 - São Cristóvão (em frente à sede da Rádio Tupi). Sua presença é fundamental para a força da nossa categoria. Esperamos você lá!

 

 

Nessa

NOSSA FORÇA É A SUA!
A cada vez que o Sindicato assina Convenção Coletiva de Trabalho, a gente dá força a todos os 20mil radialistas do RJ. Agora é com você!

Uma das cláusulas da nossa CCT é o fortalecimento sindical, uma contribuição opcional de 1% do salário-base em parcela única (recolhida em janeiro). Por isso você tem até 10/12 pra se manifestar caso opte por não contribuir. Nós, do Sindicato dos Radialistas do RJ, não acreditamos em contribuição obrigatória. Por isso vamos listar agora algumas boas razões pra que você escolha estar com a gente!

QUE APOIO É ESSE?
Até o dia 10/12/2016, você pode informar se não quiser contribuir com o fortalecimento sindical. Seu apoio é opcional. Com ele, temos as melhores equipes de mídia, administração e consultoria jurídica, além de uma série de benefícios (como dentista, cursos e espaços de lazer) para atender você!
Com apenas 1% do seu salário-base, fortaleça uma vez, usufrua sempre!

POR QUE FORTALECER O SINDICATO?
Quem apoia o Radialistas RJ só tem vantagens!
Temos convênios especiais para cursos de audiovisual e idiomas no Senac e na Unicarioca (como edição de vídeo, operação de audio para rádio e TV, locução, animação e apresentação).
E mais: seguros, saúde, cultura! São consultas médicas com preços especiais, plano odontológico completo, desconto em medicamentos, assistência 24h para casa e automóvel, seguro de vida, auxílio funeral, e sorteios mensais de R$5.000,00!
Com seu 1% a gente é 100%!

MESMO ASSIM NÃO QUERO, COMO FAÇO?
É muito simples, basta enviar uma carta escrita de próprio punho, com letra legível, identificando quem você é e informando que não deseja contribuir com a parcela única de 1% do seu salário-base para o fortalecimento sindical.
A carta é individual, e pode ser entregue nas nossas sedes ou enviada pelo correio.
MAS É SÓ ATÉ O DIA 10/12!!

Endereço:
Rua Leandro Martins, nº10
(5º e 12º andar) Centro, RJ
CEP: 20080-070

 

O ACIDENTE
Na madrugada desta terça-feira (25/11), uma triste notícia abalou o Brasil. Com muito pesar, nossa equipe se solidariza hoje com as famílias dos 81 envolvidos no acidente com o voo LMI933, que levava toda a delegação do Chapecoense para uma partida na Colômbia. Em especial, guardaremos com carinho a dedicação e o trabalho dos 21 radialistas e jornalistas que estavam no avião:

Guilherme Marques, Ari de Araújo Jr., e Guilherme Laars, da Globo; Giovane Klein Victória, Bruno Mauri da Silva, Djalma Araújo Neto e André Podiacki, da RBS; Laion Espíndola, do Globo Esporte; Victorino Chermont (repórter dos canais Fox Sports), Rodrigo Santana Gonçalves, Deva Pascovicci (Devair Paschoalon, narrador dos canais Fox Sports), Lilacio Pereira Jr., Paulo Clement, e Mário Sérgio (ex-jogador e ex-técnico de futebol, atualmente era comentarista nos canais Fox Sports) da Fox; Renan Agnolin (repórter da rádio Oeste Capital, de Chapecó), Fernando Schardong e Edson Ebeliny, da Rádio AM; Gelson Galiotto (narardor da rádio Super Condá, de Chapecó), Douglas Dorneles (repórter esportivo da Rádio Chapecó); Jacir Biavatti, Rádio FM; Ivan Agnoletto e Rafael Henzel (resgatado com vida), ambos da rádio rádio Super Condá, de Chapecó.

O avião decolou de São Paulo rumo a Medelín, e caiu pouco antes de completar o trajeto. Após o acidente, o governo federal brasileiro decretou três dias de luto, e foram enviados à Colombia: o ministro das Relações Exteriores, José Serra, funcionários do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), e em breve um avião da CBF com advogados e médicos, tudo para auxiliar na resolução dos trâmites locais e também do translado dos corpos para o Brasil.

INFORMAÇÕES ÀS FAMÍLIAS
O contato direto de informações para familiares tem sido feito por uma linha telefônica disponibilizada pela Cruz Vermelha, com intérprete fluente em português. Basta ligar a qualquer hora do dia para o número: +57 4 3505300

 


NOSSA HOMENAGEM
Foi provavelmente o dia mais triste da história do futebol brasileiro, e também para a imprensa. O "Verdão do Oeste" estava prestes a realizar um grande sonho, uma final continental histórica!

Era também um sonho para alguns dos radialistas e jornalistas, mais jovens ou mais experientes, descrever o final da campanha épica do Chapecoense. "Bora lá contar essa história, o capítulo mais importante nos 43 anos do @AChapeF!", twittou Guilherme Marques, de apenas 28 anos, na véspera da viagem. O radialista de longa carreira Rafael Henzel (ex-funcionário da TV Rio Sul, em Volta Redonda), aos 43 anos foi um dos 6 sobreviventes, levando fraturas na perna e na costela. Um alívio, diante da tragédia.
 
Aqui do Rio de Janeiro, do Sul até o Nordeste, em todo o Brasil sentimos este golpe, cujas causas ainda estão nubladas - e talvez pouco afetem a essa altura da história. É passado. Presente é a memória que sucede o susto e esse rebento, a reação imediata a esse tamanho abatimento. Presente será ouvir a voz de Henzel retornar à Rádio Oeste Capital, em Chapecó, preenchendo o silêncio que ecoa o sofrimento. E nós, humanos, trabalhadores, tão grandes e tão pequenos, seguimos com esperança, reféns da vida e do tempo, na imensidão do som desse momento.

 

Três encontros importantes marcam nossa quarta-feira. Toda a Diretoria do Sindicato se reúne novamente, trazendo perspectivas diversas de todo o Estado sobre a Campanha Salarial 2016 - avaliada, no geral, de forma muito positiva!
 
Logo em seguida, participamos de mais uma Assembleia Geral de Trabalhadores da EBC, que permanece com indicativo de greve diante do descaso da direção da empresa, que não quer negociar o reajuste anual dos(as) empregados(as).
 
Também hoje recebemos, em nosso escritório jurídico, funcionários da Rádio Tupi, que encaram conosco um processo reivindicando uma série de atrasos absurdos por parte da emissora.
 
Não abaixamos a cabeça: quando o cerco aperta, só a luta te garante! Vamos continuar junto de cada trabalhadora e trabalhador, exigindo aquilo que nos é mais fundamental: o direito de trabalhar com respeito dignidade!
 

Matriz:

Rua Leandro Martins, 10 - 5° andar e 12° andar -
Centro - RJ - Cep: 20080-070
Telefones: (21) 2253-8903/ 2253-8914/
               (21) 2253-8952/ 2516-0268

Subsedes:

Jacarepaguá
Estrada dos Bandeirantes, 6.471
Curicica – Jacarepaguá (em frente ao Projac)

Telefones: 3734-7210

Campos
Rua Doutor Lacerda Sobrinho nº 132 loja 03
Centro - Campos dos Goitacazes -RJ

Telefone : (22) 2720-2551