free fonts free icons

 

Sexta-feira, 31 de março, foi realizada Assembleia Geral Extraordinária de Radialistas de todo o estado do Rio de Janeiro. O encontro ocorreu na sede da Empresa Brasil de Comunicação e contou com presença de profissionais de diversas emissoras além da própria EBC.
Foi decidido por todos, de forma unânime, um indicativo de paralisação para o dia 28 de abril.

No dia 28, inúmeros movimentos sociais de todo Brasil estão convocando Paralisação Geral contra os ataques do Governo Temer ao povo trabalhador. Reforma da Previdência, Terceirização e Reforma Trabalhista são os três pontos-chave desse ataque, então vamos lutar para barrar estas três medidas!

FIQUE LIGADO:
Para definir como atuar neste dia, será marcada uma nova assembleia, uma semana antes do dia 28. Uma das propostas dos radialistas é levar uma caravana de ônibus para o protesto que haverá em Brasília no dia 28. VENHA PARTICIPAR da assembleia e vamos juntos defender o direito do povo!

Na próxima quinta-feira ocorrerá a Plenária Regional de Radialistas da EBC Rio de Janeiro.
O evento será no Mezanino da Empresa Brasil de Comunicação, endereçada na Rua da Relação, número 18, e deve ocorrer em dois horários: às 13:00 e às 17:00.

As pautas abordadas serão as seguintes:
- Discrepância de remuneração entre praças da EBC
- PCR: discritivos e arquitetura dos radialistas
- Perseguição aos radialistas por parte da empresa
- Assuntos Gerais

O que foi decidido na última assembleia?
A Assembleia Nacional das funcionárias e funcionários da EBC realizada em 16 de março deliberou o seguinte:

1. MOÇÃO DE REPÚDIO AO REAJUSTE DE 30% QUE A DIREÇÃO DA EBC SE DEU E AÇÃO NA JUSTIÇA MOVIDA PELOS SINDICATOS PARA BUSCAR DERRUBÁ-LO!

2. PCR: Na assembleia o SINRADF informou que ao cobrar o Sr. Luiz Antonio a continuidade do Grupo de Trabalho PCR, o diretor financeiro da EBC respondeu que "não haverá continuidade nesse ano - falta de recursos - e nem em 2018 - ano político - só em 2019"
Diante desse informe a assembleia decidiu por unanimidade o seguinte Plano de Lutas pelo PCR JÁ:

- Paralisação de 2 dias com caravanas à Brasília das Praças de SP, RJ e MA para pressionar a direção da EBC pela continuidade do "Grupo de Trabalho PCR" para ser implantando ainda em 2017.
- Confecção pelos sindicatos de cartazes e adesivos PCR JÁ!
- Plenárias/reuniões por praça para discutir o indicativo de paralisação de 2 dias a serem decididos numa próxima assembléia que será marcada para a semana de 27 de março.

3. PSI (Programa de Seleção Interna):
Cobrar a direção da EBC que implemente o programa definido no Grupo de Trabalho PSI.

4. PDV (Programa de Demissão Voluntária):
Os sindicatos se posicionam por não incentivar qualquer tipo de dispensa, entretanto, em virtude dos questionamentos dos funcionários a respeito do PDV, solicitarão da direção da EBC informações de como a empresa vem tratando este tema, para que os sindicatos possam orientar aqueles que, por ventura queiram aceitar o plano, dando-lhes uma ampla assistência.

______________________________________________________________
MOÇÃO: EM DEFESA DAS APOSENTADORIAS E DOS DIREITOS TRABALHISTAS!

"O governo de Temer deixou claro que seu projeto “Ponte para o Futuro” é uma corrida desenfreada para retirar direitos conquistados.

Depois de entregar o pré-sal para as petroleiras estrangeiras e aprovar a PEC 55 que reduz drasticamente os recursos para saúde e educação por 20 anos, agora é a aposentadoria que Temer e a maioria do Congresso Nacional querem retirar de toda trabalhadora e trabalhador através da PEC 287( proposta de Emenda Constitucional - Aposentadoria com 65 anos para homens e mulheres e 49 anos de contribuição).

Trabalhar até morrer ou morrer de tanto trabalhar...e se depender desse governo sem direitos trabalhistas com o negociado prevalecendo sobre o legislado e a terceirização Irrestrita ( PL 4330) que tramitam no congresso.

- Pela Retirada Imediata da PEC 287 e dos projetos que tiram direitos trabalhistas! Nenhum Direito a menos!

A Assembleia decidiu também pelo engajamento de todos os funcionários através dos sindicatos e comissão de empregados nas próximas manifestações nacionais e regionais contra a retirada de direitos previdenciários e trabalhistas."

 

 

Protocolamos há poucas horas uma ação contra a as empresas Casa Blanca e Record, que tem contratado profissionais sem carteira assinada! Primeiramente, é importante fazer a crítica à terceirização que representa a atuação da Casa Blanca dentro da Record, que gerou esta situação. A ação do Sindicato de Radialistas RJ pede uma Liminar para que as empresas se abstenham de utilizar trabalhadores autônomos fornecidos por terceiros para atividades essenciais e permanentes. É fundamental o enquadramento profissional dos funcionários substituídos como radialistas.

Reconhecemos que é ilícita a terceirização e a pejotização que acontecem nestes casos, e pedimos que seja reconhecido pela justiça também o vínculo empregatício destas pessoas. Estamos exigindo danos morais como reparação pelo abuso das empresas em oferecerem condições tão precárias de trabalho, danos causados aos direitos difuso e coletivo dos trabalhadores - e protocolamos que o valor desta indenização não seja inferior a R$5.000.000,00. É importante lembrar que esta quantia não representa sequer uma fração mínima dos lucros destas empresas. Não vamos admitir que radialistas sejam explorados desta maneira enquanto os frutos de seu trabalho enchem os bolsos afortunados dos seus patrões.

#VemComSeuSindicato!

Neste dia 15 de Março, toda a equipe do Sindicato Radialistas RJ vai parar a partir das 14:00 para compor o Ato Unificado Contra a Reforma da Previdência! Composto por inúmeros movimentos sociais e centrais sindicais, o protesto conta com iniciativas em diversas áreas, professores, motoristas de ônibus, radialistas, jornalistas, trabalhadoras e trabalhadores de todos os setores estão mobilizados para defender o direito à aposentadoria. 
Nosso sindicato convoca você, que trabalha no Rádio ou na TV, para se reunir conosco em frente à EBC (Rua da Relação, nº ) a partir das 15:30. Iremos todos juntos nos unir à grande passeata que sairá da Candelária às 16:00.

Todo este movimento é por causa da tentativa absurda do governo federal de acabar com o direito à aposentadoria para milhões de brasileiras e brasileiros. A dita "reforma da previdência" não dá fim a este direito oficialmente, porém cria condições tão absurdas para quem pretende se aposentar, que na prática grande parte de nós irá "trabalhar até morrer".

O governo Temer quer estabelecer:
O governo Temer quer aprovar uma reforma da previdência que pretende estabelecer:
- Idade mínima de 65 anos para se aposentar (como boa parte dos Senadores e Deputados que votarão a proposta, Temer recebe 30 mil reais de aposentadoria desde os 55 anos);
- Contribuição de, pelo menos, 49 anos para o recebimento integral da aposentadoria (hoje são 25 anos);
- Exigências iguais para homens e mulheres, do campo ou da cidade, do setor público ou privado.
- Extinção de aposentadorias especiais (como é a dos professores, rodoviários, e quem trabalha em condições precárias);
- Nova regra de cálculo do benefício, que pode baixar o valor recebido para menos de um salário mínimo.

Não gostou? Nós também não.

Este plano vai na contramão de todos os estudos econômicos e sociais sobre o Brasil. Hoje, por exemplo, a remuneração média das mulheres no mercado de trabalho ainda é muito menor que a dos homens que executam as mesmíssimas funções e ocupam os mesmos cargos. Sem mencionar que, se a reforma for feita desta maneira, para se aposentar aos 65 anos será preciso começar a trabalhar de carteira assinada e contribuir dos 16 anos em diante, sem ficar sequer UM MÊS desempregado. A maior parte da população brasileira não chega nem aos 65 anos - e o corte nos investimentos em saúde pública também não ajudam esse cenário.

No Estado do Rio de Janeiro, a proposta de reforma da previdência é ainda mais cruel. Prevê um aumento de 11% para 14% da contribuição previdenciária, e indica ainda uma cota extra de 8%. Os salários dos servidores, por exemplo, sofrerão 22% de desconto afetando ainda mais o poder de compra da categoria nas coisas mais básicas (de comida ao pagamento de contas).

Não podemos deixar isso acontecer: para barrar esse golpe no direito à aposentadoria temos que reagir. Precisamos de cada trabalhador e cada trabalhadora. Precisamos reagir agora, ou pagaremos o preço por toda a vida! VENHA HOJE, dia 15 de março, para o Dia de Paralisação Nacional contra a Reforma da Previdência!

 

Você sabe o que é a terceirização do trabalho?
Quarta-feira (22/03) foi aprovado pela maioria de Deputados Federais do Brasil um Projeto de Lei antigo, de 1998. Dos 39 representantes do RJ que votaram, apenas 19 foram contra a medida. Este PL quer permitir que uma empresa deixe de contratar diretamente seus funcionários. Agora, ela poderá contratar outra empresa que contrate o pessoal pra trabalhar para ela. Quem ganha com isso? Primeiro, essa segunda empresa, que não existia antes e agora entrou no jogo. Mas também a primeira empresa, porque geralmente sai mais barato contratar desta forma...

MAS COMO ?!
Como pode ser mais barato se, ao invés de diminuir, você adiciona mais uma empresa - mais trabalhadores pra serem pagos com os frutos do mesmo serviço?
É óbvio: basta arrumar um jeito de pagar bem menos do que recebiam antes. E quem já recebe o mínimo do mínimo? A lei determina que menos que isso é um abuso! Tem coisas que não dá pra economizar, e não é só de salário que isso se trata, é de direitos. Horário de trabalho, intervalo, locais com segurança, higiene, saúde, possibilidade de alimentação, férias, décimo terceiro como todo mundo... Se a empresa não cumprir tudo isso é crime! Se uma empresa de Televisão ou de Rádio não dá o FGTS (como é o caso da Rádio Tupi, por exemplo) ou inventa uma história pra não pagar a hora extra direito (como o antigo Projeto Jornada da TV Globo), é dever do Sindicato reclamar, denunciar e fazer o que for preciso pra valer a lei que protege os direitos da categoria. Tá na lei, é nossa obrigação. Nossa categoria são todos os trabalhadores contratados pelas empresas de Rádio e TV do Rio de Janeiro. Mas e se a pessoa trabalha na Globo, mas é contratada por outra empresa? E se essa empresa nem presta serviço de Rádio ou TV, é só uma "contratadora"? Pela lei, esses funcionários não têm NENHUMA garantia sindical.

Quando foi criado o direito do trabalho não tinha terceirização, e no meio de todos os novos projetos de lei da Reforma Trabalhista desse governo atual também não tem nenhuma proposta que apoie os direitos da pessoa terceirizada. Porque é você, trabalhador, que vai pagar a "economia" do patrão e mais o lucro da que ele contratar pra te explorar. Na prática, a terceirização vende a responsabilidade pelo contrato trabalhista pra um "terceiro". E até mesmo para um quarto, para um quinto... Não há limites para quantos níveis de terceirização de serviços podem ser feitas pelas empresas com essa nova lei.


Já sabemos os males da terceirização porque ela vem contagiando o sistema judiciário brasileiro desde antes do governo PT (basta lembrar que a lei votada semana passada é um projeto de 1998, época do governo de Fernando Henrique, do PSDB). Nos últimos anos, a lei passou a permitir que fossem terceirizados alguns tipos de postos de trabalho (como limpeza, segurança, as chamadas "atividades meio"). Isso foi decisão do Tribunal Superior do Trabalho - TST (Súmula 331).

O relatório do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) sobre os efeitos da terceirização já em 2007 já apontava graves problemas. Se comparados com os contratados diretos, quem era terceirizado apresentava salários em média 30% menores, jornadas mais longas, e com mais acidentes e doenças decorrentes das péssimas condições de trabalho (confira na íntegra a pesquisa http://bit.ly/2nbGp0S). Quem vive essa realidade hoje, em sua maioria ainda são profissionais de menor remuneração, sobretudo pessoas negras e mulheres. Esse "perfil" bastante específico de pessoas que vem sofrendo a corrosão de seus direitos trabalhistas pela terceirização se explica por muitas razões. Uma delas é a própria história do Brasil: pela estrutura do patriarcado brasileiro, sempre foram delegadas às mulheres e às famílias negras e periféricas as chamadas "atividades meio".

É importante lembrar que o nosso país foi o último lugar do mundo a abolir a escravidão. Sempre apresentamos níveis elevadíssimos de desigualdade. A miséria não é exclusividade do nosso país, mas a proximidade entre riqueza e pobreza que existe do Leblon para a Rocinha, por exemplo, não existe em nenhum outro lugar do mundo. De um bairro pro outro, aqui a miséria é vizinha da fortuna. Lava sua roupa, engraxa seus sapatos todos os dias... Dezenas de pessoas vindas de todos os cantos, dos sertões nordestinos, expulsas do campo pelo agronegócio, imigrantes latinos, centenas de seres humanos que dormem nas ruas das mais ricas capitais, há poucos metros das suítes dos hotéis de luxo onde se fazem jantares, festas, negociações. A chamada "cidade partida" pela desigualdade é o cartão postal do que muitos chamam de "dois Brasis". Isso é um mito. São dois lados de um mesmo Brasil, e um lado depende do outro. Para manter a concentração de renda e poder, as elites brasileiras precisam manter os pobres no desespero. Dispostos a qualquer coisa, até mesmo ao subemprego, para sobreviverem. Este é o objetivo das forças políticas que tem usado "a desculpa da crise" pra destruir qualquer vestígio de poder que ainda possa estar ao alcance do povo.




Ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST) desde 2006, Luiz Philippe Vieira de Mello Filho, mineiro de Belo Horizonte, 55 anos, é uma das vozes críticas do Judiciário às ideias de flexibilização da legislação: "Esse projeto de terceirização rompe a lógica do Direito do Trabalho, porque diz o seguinte: o ser humano passa a ser uma mercadoria. Eu tenho uma empresa para alugar ser humano." Luiz ainda explica: "A razão pela qual o Direito do Trabalho nasceu foi para dizer que isso não poderia acontecer. Isso é o princípio básico que gerou toda a legislação trabalhista. O Código Civil falava em locação de mão de obra, que foi aí que nós surgimos. Revogaram isso e apareceu o Direito do Trabalho. Agora, o que está acontecendo? É o Direito do Trabalho voltando para o Direito Civil, com uma roupagem nova."


Junto com o ataque à Previdência, a Terceirização vem destruir nossos direitos (como jornada de trabalho mínima de 44 horas semanais, intervalo inter-jornadas de pelo menos 11 horas, etc). O Governo Temer diz que isso vem "solucionar a crise", mas são todas propostas antigas das mesmas forças políticas financiadas por corporações mafiosas. A gestão de Michel Temer apresenta como solução pra geração de empregos uma série de antigas propostas de precarização da classe trabalhadora: como a prevalência do negociado sobre legislado, e o barateamento das demissões via extinção da multa indenizatória do FGTS. Esta política sustenta uma ideologia escravocrata, hegemônica dentre o empresariado brasileiro, e que ameaça revogar direitos fundamentais do povo.

 

 

Em tempos como estes, em que querem rasgar a CLT e acabar com o direito do trabalho, é sempre bom lembrarmos que o grande valor está nas pessoas e não nas corporações ou no dinheiro que as sustenta. São pessoas simples e comuns como nós que edificam as maiores instituições do mundo, marcas, empresas, governos, fortunas... Há poucas décadas eram os milhões de brasileiros escravizados, sem direitos e sem liberdade, erguendo o império que ainda tem suas marcas nos prédios mais antigos e imponentes do Rio. Cada dia em que lutamos pela nossa dignidade estamos honrando e continuando a luta dos nossos ancestrais. Somos filhos da classe trabalhadora, e muita água ainda precisa correr pra conquistarmos verdadeira liberdade.

Essas propostas são uma ofensa ao povo brasileiro! Desdenha do suor cotidiano de cada trabalhador, e não melhora em nada a economia do país. Só aumenta o lucro das grandes empresas e a desigualdade (que é das maiores do mundo). Nenhum outro país é tão marcado pela escravidão como o Brasil. Precisamos acabar de vez com esta tradição de desigualdade que na economia depende da exploração sem limites das trabalhadoras e trabalhadores. Se você ainda não se levantou contra a terceirização, A HORA É AGORA!

 

 

 

 

Das quase 30 mil pessoas que trabalham como radialistas no estado do Rio de Janeiro, cerca de 20% são mulheres. Neste 8 de março, "dia internacional da mulher", a equipe do Sindicato Radialistas RJ gostaria de refletir sobre a história dessa data que nasceu há exatos 100 anos.

O "Dia da Mulher" sempre foi uma data de luta, mas nem sempre foi comemorado em 8 de março. Inicialmente, ele surge em 19 de março, decretado pela Secretaria da Mulher, órgão da Internacional Socialista. A russa Alexandra Kollontai, que propôs a data, diz que foi para lembrar um levante de mulheres proletárias na Prússia, em 1848. Desde então, a data foi mudando em diversos momentos da história... Na Rússia, sob a opressão do czar, o primeiro "Dia da Mulher" só foi comemorado em 3 de março de 1913. Em 1914 todas as organizadoras do Dia da Mulher foram presas e com isso não houve comemoração.

Foi apenas em 1917, cem anos atrás, na Rússia, que em plena Guerra Mundial eclodiria um movimento que viria a transformar o mundo. Explodiu, no dia 8 de março, a histórica greve das tecelãs e costureiras de Petrogrado, primeira e mais poderosa semente da Revolução Russa.

"Nesse dia, um grande número de mulheres operárias, na maioria tecelãs e costureiras, contrariando a decisão do Partido (que achava que aquele não era o momento para qualquer ação radical) saíram às ruas em manifestação por pão e paz! Elas declararam uma greve que foi o estopim da primeira fase da Revolução Russa, que em outubro abalaria o mundo inteiro. Essa greve foi documentada nos escritos de Trotsky e de Alexandra Kollontai, ambos membros do Comitê Central do Partido Operário Social Democrata Russo." (Claudia Giannotti, jornalista e fundadora do Núcleo Piratininga de Comunicação)

O dia de hoje não surge das flores nem se encerra às 23:59. A cada segundo, em todo o planeta, ainda hoje bilhões de mulheres encontram barreiras pra sua liberdade, alegria e amores - muros que só existem para elas, mulheres, e ainda dividem tantas outras celas que aprisionam também os homens, como o racismo, a miséria, o desrespeito e a violência doentios contra quaisquer manifestos de sexualidade, regionalidade e crença. Por isso, respeito às mulheres e toda sua luta! Em sua homenagem daremos sempre nosso apoio, e deixamos aqui nada mais que um momento, um pouco de história e, por fim, esperança: um poema.

 

"CONSELHOS PARA A MULHER FORTE"
(poesia de Gioconda Belli, Nicarágua, 1948)

"Se és uma mulher forte
te protejas das hordas que desejarão
almoçar teu coração.
Elas usam todos os disfarces dos carnavais da terra:
se vestem como culpas, como oportunidades, como preços que se precisa pagar.
Te cutucam a alma; metem o aço de seus olhares ou de seus prantos
até o mais profundo do magma de tua essência
não para alumbrar-se com teu fogo

senão para apagar a paixão
a erudição de tuas fantasias.

Se és uma mulher forte
tens que saber que o ar que te nutre
carrega também parasitas, varejeiras,
miúdos insetos que buscarão se alojar em teu sangue
e se nutrir do quanto é sólido e grande em ti.

Não perdas a compaixão, mas teme tudo que te conduz
a negar-te a palavra, a esconder quem és,
tudo que te obrigue a abrandar-se
e te prometa um reino terrestre em troca
de um sorriso complacente.

Se és uma mulher forte

prepara-te para a batalha:
aprende a estar sozinha
a dormir na mais absoluta escuridão sem medo
que ninguém te lance cordas quando rugir a tormenta
a nadar contra a corrente.

Treine-se nos ofícios da reflexão e do intelecto.

Lê, faz o amor a ti mesma, constrói teu castelo
o rodeia de fossos profundos
mas lhe faça amplas portas e janelas.

É fundamental que cultives enormes amizades
que os que te rodeiam e queiram saibam o que és
que te faças um círculo de fogueiras e acendas no centro de tua habita

ção

uma estufa sempre ardente de onde se mantenha o fervor de teus sonhos.

Se és uma mulher forte
se proteja com palavras e árvores
e invoca a memória de mulheres antigas.

Saberás que és um campo magnético
até onde viajarão uivando os pregos enferrujados
e o óxido mortal de todos os naufrágios.
Ampara, mas te ampara primeiro.
Guarda as distâncias.
Te constrói. Te cuida.
Entesoura teu poder.
O defenda.
O faça por você.
Te peço em nome de todas nós."

Matriz:

Rua Leandro Martins, 10 - 5° andar e 12° andar -
Centro - RJ - Cep: 20080-070
Telefones: (21) 2253-8903/ 2253-8914/
               (21) 2253-8952/ 2516-0268

Subsedes:

Jacarepaguá
Estrada dos Bandeirantes, 6.471
Curicica – Jacarepaguá (em frente ao Projac)

Telefones: 3734-7210

Campos
Rua Doutor Lacerda Sobrinho nº 132 loja 03
Centro - Campos dos Goitacazes -RJ

Telefone : (22) 2720-2551